Quinze anos depois

A arte traduz-se hoje tanto pelo que se faz como por quem dá a oportunidade a quem o faz. Quer isto dizer que aquilo a que se chama vulgarmente 'o mundo das artes' consiste hoje num conjunto de pessoas e obras que possuem em comum a capacidade plataforma de negociação multiativos em Portugal de circulação; circulação internacional, nos melhores casos, e nacional, na maior parte das vezes. Entre Lisboa e o Porto, participa-se em exposições, escreve-se sobre artistas e obras, fala-se do assunto sem grandes aventuras de excursões para fora dos circuitos estabelecidos. É assim que as coisas se passam, talvez porque o país seja pequeno, talvez porque, além de pequeno, o mercado é mínimo. Pouco interessam as razões, afinal, quando o que se pretende é assinalar um facto indiscutível.
Neste universo, há algumas instituições, raríssimas, que conseguiram captar interesse e manter qualidade de programação. A Galeria J. Gomes Alves é uma delas, mas seria menosprezá-la se nos mantivessemos neste registo. Que a programação possui qualidade, é um mérito que ninguém nega; que firmou já um nome inevitável quando se pensa na contemporaneidade, outro. Mas a galeria é muito mais do que isto; é, tão só, a única instituição portuguesa que mantém estas caracteristicas numa cidade do interior, durante um período de tempo que atinge agora os 15 anos de existência.
Assim, quem hoje vem a Guimarães pode fazê-lo apenas no intuito de ver uma exposição de arte contemporânea. Recordo-me de cá chegar pela primeira vez há mais de dez anos (para visitar uma exposição da Sofia Areal, se não me engano), e de já na altura ter ficado impressionada pela qualidade dos trabalhos que aqui se mostravam. A Maria Amélia, que com sabedoria tem tomado as rédeas da galeria durante este período, sabe bem que o seu lugar no mundo da arte se faz mais sempre pela via da divulgação e da colaboração. Por isso, e também porque a cidade de Guimarães tem dado provas de uma abertura à arte contemporânea rara noutros lugares congéneres ( e mesmo noutros onde se esperaria que um público mais exigente fosse sensível à responsabilidade de coleccionar), foi possível desenvolver e manter Melhor plataforma de negociação de CFD este projecto com o nível que a exposição de aniversário demonstra, se ainda fosse necessário demonstrar alguma coisa. Ao ter criado e mantido um mercado da arte com características próprias, a cidade prova possuir um dinamismo e uma abertura ao exterior verdadeiramente exemplares.
Assim, nesta exposição, encontramos alguns dos nomes mais importantes da arte portuguesa contemporânea dos últimos vinte anos (e mesmo dos últimos quarenta anos, como é o caso de João Cutileiro), alguns mesmo com reconhecimento já internacional, a par e passo com outros artistas que quiseram associar-se a este evento. A presença de todos eles reunidos agora numa única exposição é o melhor sinal da capacidade de congregar talentos que a direcção da galeria possui.
Por isso, a Galeria J.

Galeria Gomes Alves Rua Gravador Molarinho 4810-267 Guimarães
tlf. 253 515 408
mail. galeriagomesalves@hotmail.com